Carregando...

DISCIPLINA Listagem de Ementa/Programa

TEORIA DAS INSTITUIÇÕESDISCIPLINA 387533

VER OFERTA

ÓrgãoIPOL Instituto de Ciência Política
Código387533
DenominaçãoTeoria das instituições
NívelMestrado
Início da Vigência em1985/1
Pré-requisitosDisciplina sem pré-requisitos
EmentaInício da Vigência em 2012/2

Nas ultimas duas décadas, houve um surto de estudos sobre o papel das instituições -organizações formais, e normas, regras e práticas informais - na conformação das relações políticas e sociais. Para várias das vertentes do "neo-institucionalismo" (escolha racional, institucionalismo-historico e institutionalismo sociológico), o foco principal tem sido explicar como as instituições estruturam a conduta dos indivíduos e grupos. As instituições são vistas principalmente como estruturas fixas, definida como instituições justamente por sua estabilidade. Mais recentemente, alguns estudiosos vem perguntando: como surgem as instituições? como explicar a sua transformação?

Esta disciplina visa estudar como a criação e a transformação institucional vêm sendo analisadas teórica e empiricamente na ciência política e na sociologia política. Além de considerar as diversas vertentes da literatura neo-institucionalista, a disciplina irá buscar, em outras correntes teóricas, idéias que contribuam para a compreensão de processos de transformação institucional. O curso será dividido em dois módulos. No primeiro módulo, será feito um reconhecimento da literatura teórica sobre o tema. O aluno fará leituras que revelem a visão das três principais perspectivas de neo-institucionalismo, além de outras sobre o papel da sociedade civil, da disseminação de idéias, das redes sociais e das lideranças políticas na transformação institucional. Além de contribuir para o estudo da transformação institucional especificamente, o aluno poderá se familiarizar com varias perspectivas teóricas dentro da ciência política, sociologia e políticas públicas. O segundo módulo será dedicado a estudos de casos que aplicam as diversas perspectivas teóricas do Módulo I. Os textos tratam de experiências de mudança institucional em níveis nacional, sub-nacional e setorial, com foco nas experiências de reforma do estado no Brasil, e refletem a variedade teórica considerada no modulo anterior. Além de consolidar o aprendizado teórico, esse módulo contribuirá para o aprendizado de técnicas empíricas e sua relação com diferentes correntes teóricas no campo da ciência política.

ProgramaInício da Vigência em 2012/2

Modulo 1: Teorias de Transformação Institucional
" Neo-institucionalismo de Escolha Racional
" Neo-institucionalismo Histórico
" Neo-institucionalismo Sociológico
" Relações estado-sociedade
" Idéias Técnicas e sua disseminação
" Movimentos Sociais, Redes, e Lideranças

Modulo 2: Estudos de Caso
" Desenvolvimentismo e Reformas Administrativas
" Transição Democrática
" Reforma do Estado e Reformas Setoriais
" Reforma do judiciário

BibliografiaInício da Vigência em 2012/2

ALMEIDA, Maria Hermínia T. de; MOYA, Maurício, 1997. "A reforma negociada: o Congresso e a política de privatização. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 34.
ANDREWS, Josephine T.; MONTINOLA, Gabriella, R. "Veto Players and the Rule of Law in Emerging Democracies". Comparative Political Studies, 37(1): 55-87, Februrary.

BLYTHE, Mark, "The Transformation of the Swedish Model: Economic Ideas, Distributional Conflict and Institutional Change", World Politics
CLEMENS, Elisabeth S. 1999. "Organizational Repertoires and Institutional Change: Women's Groups and the Transformation of American Politics, 1890-1920.". In SKOCPOL, Theda e FIORINA, Morris, F., eds. Civic Engagement in American Democracy. Brookings Institution.
COUTO, Cláudio Gonçalves, 1998. "A Longa Constituinte: Reforma do Estado e Fluidez Institucional no Brasil", DADOS, 41(1).
DINIZ, Eli, 1997. "Governabilidade, Democracia e Reforma do Estado: os Desafios da Construção de uma nova ordem no Brasil dos Anos 90". IN: Diniz, Eli; Azevedo, Sergio de, orgs. Reforma do Estado e Democracia no Brasil, Brasilia, UnB/ENAP. 19-54.
EVANS, Peter, 1997. Autonomia e parceria: Estados e Transformação Industrial, Rio de Janeiro, UFRJ.
GEDDES, Barbara, 1994. The Politicians Dilemma: Building State Capacity in Latin America. Berkeley, University of California Press;
HALL, Peter, 1993. "Policy Paradigms, Social Learning and the State: the Case of Economic Policy Making in Britain". Comparative Politics 25(32) (april).
KAUFMAN, Robert, 1998. A Política de Reforma do Estado: um exame de abordagens teoricas. Revista do Serviço Público Ano 49, Número 1, Jan-Nov. 43-69. .
LEVITSKY, Steven; MURILLO, María Victo Victoria, 2006. "Variation in Institutional Strength in La Latin America: Causes and Implications" Paper prepared for presentation at the International Meeting of the Latin Am American Studies Association, San Juan, Puerto Rico, March 15-18, 2006.
LIN, Nan, Social Capital: A Theory of Social Structure and Action. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.
LOUREIRO, Maria Rita, 1997. Os Economistas no Governo: gestão econômica e democracia. Rio de Janeiro, FGV.
MARCH, James G. and OLSEN, Johan P. 1989. Rediscovering Institutions: The Organizational Basis of Politics. New York: The Free Press
MARQUES, Eduardo Cesar, 2000. Estado e Redes Sociais: Permeabilidade e Coesão nas Políticas Urbanas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revan; São Paulo: FAPESP.
MEDEIROS, Mateus Afonso, 2004. "Aspectos Institucionais da Unificação das Polícias no Brasil". Dados, 47(2):271-297.
MELO, Marcus André, 2002. Reformas Constitucionais no Brasil: Instituições Políticas e Processo Decisório. Rio de Janeiro, Editora Revan.
NORTH, Douglass, 1990. Institutions and Institutional Change and Economic Performance. Cambridge, Cambridge University Press
O´DONNELL, Guillermo, 1988. "Transições, Continuidades e Alguns Paradoxos". In: MOISÉS, José Álvaro; ALBUQUERQUE, J. A. Guilhon, orgs. Dilemas da Consolidação Da Democracia. São Paulo, Paz e Terra.
PETERS, B. Guy, 1999. Institutional Theory in Political Science. London, Continuum.
PRZEWORSKI, Adam, 1987. "Capitalismo, Democracia, Pactos". In: ALBUQUERQUE, J.A.; DURHAM, E. (orgs), A Transição Política: necessidade e Limites da Negociação. São Paulo, EdUSP.
POWELL, Walter W. e DIMAGGIO, Paul J. 1991. The New Institutionalism in Organizational Analysis. Chicago, University of Chicago Press
REIS, Fabio Wanderley, 2000. "Racionalidade, ´Sociologia´, e a Consolidação da Democracia". Mercado e Utopia: Teoria Política e Sociedade Brasileira, São Paula, EdUSP.
SABATIER, Paul. 1995. "An Advocacy Coalition Framework of Policy Change and the Role of Policy-Oriented Learning Therein", In MCCOOL, Daniel C. ed. Public Policy Theories, Models and Concepts: An Anthology. Prentice Hall, Englewood Cliffs, NJ.
SHEINGATE, Adam. 2001. "Entrepreneurial Innovation and Institutional Change" Trabalho apresentado no seminário: Taking Ideas Seriously: New Perspectives on Understanding Change. Johns Hopkins University. December 8-9, 2001.
STEINMO, Sven; THELEN, Kathleen; E LONGSTRETH, Frank, 1992. Structuring Politics: Historical Institutionalism in Comparative Analysis. Cambridge: Cambridge University Press;
TAYLOR, Matthew M. 2005. "Citizens against the State: the Riddle of High Impact, Low Functionality Courts in Brazil. Brazilian Journal of Political Economy, 25(4):418-438, October-december.
THELEN, Kathleen, 1999; Historical Institutionalism In Comparative Politics. Annual Review of Political Science 2:369=404.
TSEBELIS, George, 1998 Jogos Ocultos: Escolha Racional no Campo da Política Comparada. São Paulo, USP.
WEYLAND, Kurt. 2002. "Limitations of Rational Choice Institutionalism for the Study of Latin American Politics". Comparative International Development, 37:1: 57-85.