Carregando...

DISCIPLINA Listagem de Ementa/Programa

DESENVOLVIMENTO E NECESSIDADES ESPECIAISDISCIPLINA 124338

VER OFERTA

ÓrgãoPED Departamento de Psic.Escolar e do Desenvolvimento
Código124338
DenominaçãoDesenvolvimento e Necessidades Especiais
NívelGraduação
Início da Vigência em2019/1
Pré-requisitos PED 124044 Desenvolvimento C V Infância OU
PED 106186 Proc de Desenvolvimento Humano
EmentaInício da Vigência em 2014/1

Concepções histórico-epistemológicas. Conceituação e caracterização das deficiências. Identidade, cognição, afeto, socialização, sexualidade e desenvolvimento. Diversidade como condição cultural. Especificidades de intervenção e de investigação no âmbito individual, familiar, educacional e do trabalho. Questões éticas e políticas públicas

ProgramaInício da Vigência em 1994/1

UNIDADE 1: A PESSOA PORTADORA DE NECESSIDADES ESPECIAIS NA SOCIEDADE MO-
DERNA.
1.1 - O QUE E UMA PESSOA "EXCEPCIONAL"? CONCEITUACAO.
1.2 - HISTORIA DA EDUCACAO DAS CRIANCAS PORTADORAS DE NECES-
SIDADES ESPECIAIS.
1.3 - MUDANCA DO ENFOQUE MEDICO PARA O ECOLOGICO - A PERSPEC-
TIVA SOCIAL.
1.4 - LEGISLACAO. POLITICA NACIONAL DE EDUCACAO ESPECIAL.
1.5 - O PAPEL DA FAMILIA - PREVENCAO E ESTIMULACAO PRECOCE.
UNIDADE 2: DIFERENCAS INDIVIDUAIS E EDUCACAO ESPECIAL
2.1 - A QUESTAO DO ROTULO E DOS ESTEREOTIPOS.
2.2 - DIFERENCAS INTRA E INTER-INDIVIDUAIS NAS CRIANCAS EX-
CEPCIONAIS.
2.3 - PREVALENCIA DAS EXCEPCIONALIDADES: ESTIMATIVAS DE INCI-
DENCIA.
2.4 - EDUCACAO COMUM E EDUCACAO ESPECIAL: A QUESTAO DO AMBI-
ENTE E DA INTEGRACAO NA ESCOLA.
UNIDADE 3: O ESTUDO DAS CATEGORIAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS:
DEFINICAO/IDENTIFICACAO/DIAGNOSTICO/CARACTERISTICAS/CAUSAS/
ADAPTACOES EDUCACIONAIS/INTERVENCAO/O ATENDIMENTO NO DF/NAS
DIFERENTES CATEGORIAS DE NECESSIDADES ESPECIAIS:
3.1 - OS PORTADORES DE ALTA HABILIDADE (SUPERDOTADOS)
3.2 - OS PORTADORES DEFICIENCIA MENTAL.
3.3 - OS PORTADORES DE DEFICIENCIA VISUAL.
3.4 - OS PORTADORES DE DEFICIENCIA AUDITIVA.
3.5 - OS PORTADORES DE AUTISMO.
3.6 - OS PORTADORES DE PROBLEMAS DE CONDUTA.
3.7 - OS PORTADORES DE DEFICIENCIA FISICA.
3.8 - OS PORTADORES DE DEFICIENCIA FISICA.
DINAMICA DO CURSO:
4.1 - AULAS EXPOSITIVAS DIAGOLADAS
4.2 - LEITURA E DISCUSSAO DE TEXTOS
4.3 - SEMINARIOS, VIDEOS E PALESTRAS
4.4 - ATIVIDADES PRATICAS NA COMUNIDADE (OBSERVACOES E ENTREVISTAS)
4.5 - SUPERVISAO DAS ATIVIDADES PRATICAS.
DESCRICAO DAS ATIVIDADES PRATICAS:
* OS ALUNOS SE DIVIDIRAO EM GRUPOS E ESCOLHERAO UM TEMA A SER TRABALHADO
DURANTE O SEMESTRE (UMA CATEGORIA DE NECESSIDADE ESPECIAL). COM RELACAO
A ESTE TEMA. DEVERAO:
1) LEVANTAR BIBLIOGRAFIA PERTINENTE;
2) LEVANTAR OS RECURSOS DO DF PARA LIDAR COM ESSA CATEGORIA;
3) FAZER OBSERVACOES E ENTREVISTAS NO LOCAL DE ATENDIMENTO ESCOLHIDO;
4) CONVIDAR UM PROFISSIONAL DA AREA PARA UMA PALESTRA;
5) APRESENTAR PARA A TURMA UM PEQUENO SEMINARIO SOBRE OS DADOS TEORICOS
ABTIDOS (ORDEM DE APRESENTACAO DO PROGRAMA), E COORDENAR UMA AULA DE
DEBATES (FECHAMENTO);
6) APRESENTAR UM FILME EM VIDEO SOBRE O TEMA, QUE DEVERA SER RESENMHADO
PELA TURMA;
7) ELABORAR UMA PEQUENA PROPOSTA DE TRABALHO OU PROJETO PARA A CATEGORIA
ESCOLHIDA;
8) ELABORAR UM RELATORIO FINAL SEGUNDO CRITERIOS CIENTIFICOS (NORMAS DA
APA) CONTENDO: INTRODUCAO TEORICA (DADOS DO SEMINARIO); OBJETIVOS DO
PROJETO; METODOLOGIA (DADOS DA OBSERVACAO); PROJETO SUGERIDO; CONCLU-
SAO E BIBLIOGRAFIA.
9) APRESENTAR O RELATORIO FINAL PARA A TURMA. UMA COPIA P[ODERA SER EN-
CAMINHADA A INSTITUICAO PARA A QUAL SE FEZ O PROJETO.
OBS.: OS FILMES DE VIDEO PODERAO SER ASSISTIDOS EM CASA, POIS NAO SE CO-
BRARA PRESENCA EM AULA. AS RESENHAS DEVEM TER CONTEUDO TEORICO,
APOIADAS NA BIBLIOGRAFIA DO CURSO, E ATRELADAS AOS FATOS DO FILME
(OU SEJA, TEORIA + FILME). AS DATAS DE ENTREGA DEVERAO SER RIGORO-
SAMENTE CUMPRIDAS. ESPERA-SE QUE O ALUNO OBSERVE A ALTA QUALIDADE
DAS MESMAS.

BibliografiaInício da Vigência em 1994/1

ALENCAR, E. M. L. S. SAO PAULO
PSICOLOGIA E EDUCACAO DO SUPERDOTADO. EPU 1986
AMIRALIAN, M. L. T. M. SAO PAULO
PSICOLOGIA DO EXCEPCIONAL. EPU 1986
ASSUMPCAO Jr. SAO PAULO
INTRODUCAO AO ESTUDO DA DEFICIENCIA MENTAL. MEMNON 1991
BARNARD, K.E. & ERICKSON, M.L. PORTO ALEGRE/R.J
COMO EDUCAR CRIANCAS COM PROBLEMAS DE DESEN-
VOLVIMENTO. GLOBO 1986
BRANDAO, J. S. SAO PAULO
BASES PARA O TRATAMENTO POR ESTIMULACAO
PRECOCE DA PARALISIA CEREBRAL. MEMNON 1992
BUSCAGLIA, L. RIO DE JANEIRO
OS DEFICIENTES E SEUS PAIS. RECORD 1993
FERREIRA, J. R. SAO PAULO
A CONSTRUCAO ESCOLAR DA DEFICIENCIA MENTAL. UNIV.EST. CAMP. 1989
FERREIRA, M.R. & BOTOME, S.P. CAXIAS DO SUL
DEFICIENCIA FISICA E INSERCAOP SOCIAL:
A FORMACAO DE RECURSOS HUMANOS. EDUCS 1984
FONSECA, V. PORTO ALEGRE
EDUCACAO ESPECIAL. ARTES MEDICAS 1990
GAUEDERER, E. C. SAO PAULO
O AUTISMO NA DECADA DE 80. SARVIER 1980
GAUDERER, E. C. BRASILIA
AUTISMO E OUTROS ATRASOS DO DESENVOLVIEMNTO. CORDE 1993
GESUELI, Z. M. CAMPINAS
A CRIANCA NAO OUVINTE E A AQUISICAO DA ESCRI-
TA. DISSERTACAO DE MESTRADO. UNICAMP 1988
GLAT, R. & KADLEC, V. P. S. RIO DE JANEIRO
A CRIANCA E SAUS DEFICIENCIAS: METODOS
E TECNICAS DE ATUACAO PSICOLOGICA. AGIR 1984
JANNUZZI, G. SAO PAULO
A LUTA PELA EDUCACAO DO DEFICIENTE MEN-
TAL NO BRASIL. CORTEZ 1985
KEPHART, N. C. PORTO ALEGRE
O ALUNO DE APRENDIZAGEM LENTA. ARTES MEDICAS 1986
LEFEVRE, B. H. SAO PAULO
MONGOLISMO; ESTUDO PSICOLOGICO E TERAPEUTI-
CO MULTIPROFISSIONAL DA SINDROME DE DOWN. SAVIER 1981
MONONI, M. SAO PAULO
A CRIANCA RETARDADA E A MAE. MARTINS FONTES 1988
MAZZOTTA, M. J. S. SAO PAULO
FUNDAMENTOS DE EDUCACAO ESPECIAL. PIONEIRA 1982
MAZZOTTA, M. J. S. SAO PAULO
EDUCACAO ESCOLAR: COMUM OU ESPECIAL? PIONEIRA 1987
OMOTE, S.
ASPECTOS SOCIO-FAMILIARES DA DEFICIENCIA
MENTAL. REVISTA MARCO, I(1): 99-113. 1979
OMOTE, S.
EFEITOS DE UM ROTULO VERBAL ESTIGMATIZANTE
SOBRE A PERCEPCAO DAS EMOCOES. REVISTA MA-
CRO. IV(4): 89-103 1983
OMOTE, S.
ESTEREOTIPOS A RESPEITO DE PESSOAS DEFICI-
ENTES. MENSAGEM DA APAE. ABRIL/JUNHO. 1989
PASQUALI, L; PINHEIRO, A.A.A. &
LIMA, V.M.L.M.
DELINQUENCIA: ETIOLOGIA. DESENVOLVIMENTO
DE UM MODELO EXPLICATIVO. PSICOLOGIA:
TEORIA E PESQUISA, 3(2): 151-165. 1987
PESSOTTI, I.
SOBRE A GENESE E EVOLUCAO HISTORICA DO
CONCEITO DE DEFICIENCIA MENTAL. REVISTA
BRASILEIRA DE DEFICIENCIA MENTAL, 16(1):
54-69. 1981
PESSOTTI, I. SAO PAULO
DEFICIENCIA MENTAL: DA SUPERTICAO A CIENCIA. EDUSP 1984
RAICA, D. & OLIVEIRA,M.T.B. SAO PAULO
A EDUCACAO ESPECIAL DIO DEFICIENTE MENTAL. EPU 1990
SANTOS, O. B. SAO PAULO
SUPERDOTADOS: QUEM SAO? ONDE ESTAO? PIONEIRA 1988
SCHWARTZMAN. J. S.
AUTISMO INFANTIL. TEMAS SOBRE DESENVOLVI-
MENTO, 2(10): 3-25. 1993
STERNBERG, R.J. & DAVIDSON, J.E.NEW YORK
CONCEPTIONS OF GIFTEDNESS. CAMBRIDGE U.PRES1986
SUVOROV, A. V.
THE FORMATION OF REPRESENTATION IN BEAF-
BLIND CHILDREN. SOVIET PSYCHOLOGY. 1983
VALENTE, J. A. CAMPINAS
LIBERANDO A MENTE: COMPUTADOES NA EDUCACAO
ESPECIAL. UNICAMP 1991
VASH, C. L. SAO PAULO
ENFRENTANDO A DEFICIENCIA: MANIFESTACAO
PSICOLOGICA E REABILITACAO. PIONEIRA 1988
VAYER, P. & RONCIN, C. SAO PAULO
A INTEGRACAO DA CRIANCA DEFICIENTE NA
CLASSE. MANOLE 1989
VTYGOTSKY, L. S.
THE PROBLEM OF MENTAL RETARDATION ( A TEN-
TATIVE WORKING HYPOTHESIS). SOVIET PSYCHO-
LOGY, XXVI(1): 78-85. 1987
WERNECK, C. SAO PAULO
MUITO PRAZER: EU EXISTO - O PORTADOR DE SIN-
DROME DE DOWN. MEMNON 1992
OBS.: BIBLIOGRAFIAS ESPECIALIZADAS NAS DIFERENTES AREAS DE NECESSIDADES
ESPECIAIS SERAO FORNECIDAS DURANTE O CURSO.